O colectivo249 é uma estrutura artística local, multidisciplinar e interdisciplinar, composto por jovens artistas emergentes com ligação ao concelho de Torres Novas. As formações dos seus integrantes, bem como os seus interesses, dividem-se e multiplicam-se por diversas áreas artísticas (áudio, vídeo, fotografia, design, artes plásticas, artes performativas, literatura, artes gráficas, multimédia, …) e culturais (etnografia, psicologia, filosofia, história, sociologia, …).  Ler mais …


Portfólio

Fluxo

Performance duracional interdisciplinar a partir do conceito físico de FLUXO, criando-se uma Site Specific Performance na Cisterna da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa; explorando-se e potenciando-se as dimensões corporais, sonoras e visuais em relação com o espaço e com a história física do local.

Cuidado com o degrau

Exposição em colectivo, de inauguração da Galeria Porta 6, onde nos propusemos a, durante 3 meses, habitar e a criar, influenciados espacialmente no processo criativo e conseguinte produto.

Pó Suspenso

Festival “Pó Suspenso”, 29 de Setembro no edifício da antiga Central Hidroeléctrica do Caldeirão, Torres Novas. Foi um espaço-tempo de mostra do nosso colectivo, com momentos de partilha e participação comunitária. Composto por workshops, performances, uma exposição, concertos e com um almoço comunitário.


Artigos

O lixo que me encara

O nome é talvez por si a forma explicativa do próprio projeto. O lixo que me encara é nada mais que isso: projetos que passaram a ser mais pó no meu acervo que outra coisa. Esse pó cegava-me todas as vezes que lá entrava para começar outro capítulo – foi esse o maior motivo. Quebrar a irritação. Sempre gostei da ideia de afagar arestas, poder aproveitar tudo aquilo que outrora foi em vão e criar uma nova história. É isso que quero fazer com este projeto, encarar o lixo e rasurá-lo num bom sentido. Quero poder levar estas histórias a todas as pessoas, deixar de parte a ética – que acredito que é muito importante, porém, por agora, não.

O SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEO É LIVRE?

A presente reflexão aborda a liberdade artística no âmbito do mundo da arte contemporânea– desenvolvido a partir do conceito de Artworld de Arthur C. Danto. Desta forma, pensa-se a ligação do artista e da sua obra à sociedade, e das restrições e liberdades que advêm desta relação dialéctica. Tendo como base que: a liberdade do artista é definida pelas condições de possibilidade de concretizar a sua obra; sendo que este intervalo de possibilidade vai desde o momento em que a obra é apenas uma “semente” no pensamento até o momento em que é exposta – a partir deste ponto a obra segue também uma vida própria.